Cerca de 90% dos produtos comercializados nos supermercados, contém substâncias químicas e tóxicas ao meio ambiente e ao seu corpo.

Você sabia disso?

Muitos podem causar alergias, doenças de pele, irritações e até coisas mais graves, como câncer.

Mas eu to aqui pra te ajudar a entender um pouquinho mais sobre cada um deles e evitar para ter cada vez mais saúde.

Alumínio: presente em muitos desodorantes, principalmente antitranspirantes. 

Atua no desequilíbrio de hormônios e na cadeia de estrogênio (hormônio feminino), promovendo crescimento de células cancerígenas – mais relação com câncer de mama.

Além do mais, o antitranspirante, obstrui os poros e evita que o suor saia e com isso leve toxinas, gerando um acúmulo destas, que é tóxico para o organismo num todo, principalmente para o sistema nervoso.

Nome no rótulo: aluminium (e variações); cloreto de alumínio; tricloreto de alumínio.

EDTA: ácido etilenodiamina tetra-acético, um agente quelante responsável por estabilizar os produtos e aumentar o tempo de prateleira, sem que ocorra alterações em fragrâncias, cor, espuma…

É um Poluente Orgânico Persistente (POP) e causa um grande impacto no meio ambiente.

Nome no rótulo: disodium EDTA; trisodium EDTA; calcium disodium EDTA; ethylenediaminetetraacetic acid.

Etanolaminas: compostos de amônia, que ajustam pH, neutraliza acidez de fórmula e estabiliza textura do cosmético. 

Está mais presente em shampoos, condicionadores, tinturas, loções, produtos de limpeza, makes, fragrâncias…

É responsável por muitas alergias e irritações de pele. Sua exposição prolongada e abusiva, pode gerar problemas maiores como crescimento de tumores cancerígenos, lesões hepáticas e insuficiência renal.

Nome no rótulo: diethanolamine; monoethanolamine; triethanolamine; cocamide MEA; cocamide DEA; cocamide TEA; TEA-Lauryl Sulfate; DEA-cetyl phosphate; DEA oleth-3 phosphate; lauramide DEA; linoleamide MEA; myristamide DEA; oleamide DEA; stearamide MEA.

Fragrâncias artificiais: podem ser derivadas de petróleo e conter mais de 200 ingredientes em sua formulação. 

É uma das maiores causas de alergias de pele, coceiras e hiperpigmentação. 

Estão presentes na maioria dos cosméticos industriais (perfumes, maquiagens, cremes, protetores, loções…) e aqueles que contem o rótulo “sem perfume”, possuem uma fragrância sintética para encobrir o cheiro químico de outros compotos. 

Nome no rótulo: fragrance; fragrância; perfume; perfum; parfum; musk ketone; musk xylene; galaxolide; tonalide.

Ftalatos: tem função de fixar fragrâncias, brilho e cor, além de tornar o plástico mais flexível e maleável.

Tem forte relação com alergias, disfunção hormonal e impacto no sistema respiratório e hormonal. Alguns estudos comprovam efeito cancerígeno, abortivo e de fertilidade. 

*Na Europa, o seu uso em cosméticos já foi proibido e no Brasil, a quantidade em copos e garrafas plásticas é limitada, porém em cosméticos permanece sem vigência. 

Nome no rótulo: phtalate; phthalate; DEP (Diethyl phthalate); DBP (dibutylphthalate); BBP (ftalato de benzil-butilo); DMP (Dimethyl phthalate); DEHP (di-2-etil-hexil ftalato); DnBP (di-n-butyl phthalate); fragrance. Pode aparecer com nomes em português: butila, benzila, dibutila, diciclohexila, dietila, diisodecila, di-2-etilexila e dioctila.

Lauril Sulfato: é o que da a espuma no banho, da pasta de dente, detergente e enxaguastes bucais. 

É muito agressivo por retirar a camada de proteção lipídica da pele, deixando-a desprotegida. 

*Espuma não é sinal de limpeza – muito pelo contrário, né?

Nome no rótulo: lauril éter sulfato de sódio; lauril éter sulfonato de sódio; sodium lauryl sulfate; sodium lauryl ether sulfate; sodium laureth sulfate.

Parabenos: é um conservante contra fungos e bactérias, que aumenta o tempo de validade e integridade dos produtos. 

Está muito presente em maquiagens, desodorantes, esmaltes, perfumes, cremes e alguns alimentos também.

Pode causar alergias de pele e acelerar o envelhecimento da pele. Também atua no sistema endócrino e causa alteração hormonal, retenção de líquidos, ansiedade e também alteração de humor. Existe uma correlação entre o uso destes com cânceres hormônio-dependentes, já que atua como disjuntor endócrino.

*O Brasil limitou a concentração total de 0,8% de parabens por cosmético – valor individual, que se somarmos com todos os produtos usados diariamente, acaba dando um valor alto. 

Nome no rótulo: nipazol ou propil parabeno; nipagin ou metil parabeno; isobutil parabeno; etil parabeno; benzil parabeno; ethylparaben, butylparaben, methylparaben, propylparaben, isobutylparaben, isopropylparaben.

Petrolatos: é um derivado de petróleo, utilizado como emoliente e lubrificante e está presente em maquiagens, cosméticos e produtos de higiene pessoal (inclusive para recém nascidos). 

É um ingrediente que o nosso corpo não consegue absorver e se acumula na pele e nos cabelos, fazendo com que a longo prazo, estes percam força, viço e qualidade. 

Esse acúmulo acaba entupindo poros e causando acnes, espinhas, dermatites e inflamações de pele.

Nome no rótulo: petrolatum; paraffinum liquidum; mineral oil; petroleum oil; petrolatum; liquid paraffin; paraffin oil; isoparafin; vaselin; dodeceno; alkane.

Propileno Glicol: é um agente que facilita a absorção de outros compostos na pele, melhorando textura, conservação e aparência dos protudos.

É um dos ingredientes presentes nos cosméticos e produtos de higiene pessoal que mais desencadea reações alérgicas e danos ao sistema nervoso central e toxicidade para fins e fígado.

Nome no rótulo: propylene glycol; propano-1,2-diol; E1520 (em caso de alimentos processados); 1,2-dihidroxidopropano; metilenoglicol; 1,2-propanodiol; trimetil glicol.

Silicone: traz a aparência de hidratação e nutrição, por conferir textura lisa e macia as fórmulas, porém, na realidade, ele bloqueia a absorção de nutrientes, impede a saída do suor e se acumula no corpo e cabelo, causando entupimento dos poros e gerando acnes, alergias e toxicidade cutânea. 

São super tóxicos ao meio ambiente, pois são compostos inorgânicos, como o plástico e leva anos para se decompor.

Nome no rótulo: Palavras que terminam com o sufixo “cone”, “siloxane” e “conol” tais como: dimethicone; methicone; cyclomethicone; amodimethicone; cyclopentasiloxane; polydimethylsiloxane; dimethiconol; dimeticona.

Tolueno: muito presente em esmaltes, sprays, descolorante e tinturas de cabelo, é um solvente com alto poder tóxico e irritativo.

Pode gerar danos ao sistema imune, respiratório, cardiovascular, renal, reprodutivo e sistema nervoso central. 

*Mulheres grávidas devem evitar a exposição, justamente para não ter problemas de má formação fetal.

É popularmente conhecido como “Cola de Sapateiro” e pode gerar dependência e neurotoxicidade.

Nome no rótulo: toluene; toluol; benzeno; fenilmetano; metilbenzeno; methylbenzene..

Triclosan: é utilizado como conservante e antibacteriano e tem atuação na função hormonal da tireoide e sistema reprodutivo, atuando como disjuntor endócrino.

Pode gerar irritação de pele, olhos e pulmões e também aumentar a resistência a antibióticos.

*O Brasil limita a concentração de 0,3% em produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes. 

Nome no rótulo: triclosan; TSC; triclosano; triclocarban; TCC; trilocarban; triclocarban; triclocarbanum.

Pessoal, esses são alguns dos compostos mais “punks” que encontramos.

Será que eu consegui convencer pelo menos um pouquinho vocês a trocarem alguns produtos do dia a dia??

Lembrem que nutrição não é só o que você come, mas sim o que você passa também.

No comments so far.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Website Field Is Optional